terça-feira, outubro 24, 2017

Augustus Nicodemus Lopes

CRISTIANISMO E UNIVERSIDADE (2)
O HOMEM NA CAIXA


Deus... fez toda a raça humana para habitar sobre toda a face da terra, havendo fixado os tempos previamente estabelecidos e os limites da sua habitação; para buscarem a Deus se, porventura, tateando, o possam achar, bem que não está longe de cada um de nós” (Atos 17.26-28).

Nestas palavras do apóstolo Paulo aos filósofos estóicos e epicureus do areópago de Atenas, em meados da década de 50 d.C., encontramos uma síntese da visão cristã de realidade: vivemos num mundo criado por Deus, o qual se encontra próximo de nós, embora muitos o procurem como cegos que tateiam seu caminho. Ou seja, vivemos numa realidade aberta.

Um dos quadros mais famosos do pintor inglês Francis Bacon é “Cabeça IV”, de 1949. Controverso, excêntrico, Bacon – não confundi-lo com seu homônimo, o filósofo Francis Bacon – ficou famoso pelos quadros de figuras humanas grotescas, desfiguradas e horrendas, às vezes misturadas com animais. Na opinião de Hans Rookmaaker, que foi professor de história da arte da Universidade Livre de Amsterdam, “Os quadros de Bacon são como caricaturas da humanidade, e não imagens humorísticas. São gritos altos de desespero por valores perdidos e grandeza perdida” (Modern Art & the Death of a Culture, 1970).

Tomemos o quadro acima como uma expressão dos sentimentos mais profundos de Bacon e de sua geração, que é basicamente a nossa. O que podemos aprender com o homem na caixa? De que modo ele percebe a realidade?

Primeiro, embora exista uma realidade ao seu redor, ele só pode perceber como real o que se encontra dentro da caixa. Segundo, seu mundo é fechado. Nada entra e nada sai. Portanto, seu grito é vazio. Ninguém o ouve. Terceiro, se existir uma realidade além da caixa, e esta resolver responder e se aproximar, o homem na caixa não poderia ouvi-lo.

O quadro de Bacon representa bem a situação do homem moderno após o período do Iluminismo e da prevalência do cientificismo na academia e posteriormente na cultura ocidental. Antes do chamado período moderno, o conhecimento, as artes e a cultura em geral eram influenciadas por uma visão de mundo e de realidade moldada nos princípios e valores do cristianismo. O cristianismo da Reforma protestante, com sua afirmação de que o mundo foi criado por Deus e que funciona seguindo a lei da causalidade, ela própria criada por Deus, havia libertado a mente humana do medo de ofender os deuses pela pesquisa do mundo e da natureza e havia desfeito a dualidade oriunda do gnosticismo. Tudo isto contribuiu significativamente para o surgimento da cultura ocidental e um renovado apreço pelas artes, juntamente com o Humanismo.

Muitos dos grandes artistas, pintores, músicos, escritores, cientistas e pesquisadores deste período professavam a fé em Deus ao mesmo tempo em que se dedicavam a conhecer, pesquisar, explorar e desenvolver o mundo criado por Deus. Criam num mundo regido por leis naturais, ao mesmo tempo sustentado por Deus e passível de ser tocado pelo Criador, que providencialmente agia no mundo, na vida das pessoas, na história.

Contudo, com o advento da chamada idade da razão – melhor dizendo, do racionalismo, em meados do século dezessete, o homem abandonou esta perspectiva e passou a tentar determinar a realidade através dos sentidos e da razão: só existe aquilo que for perceptível pelos sentidos e comprovado pela razão. Como Deus não pode ser comprovado por estes cânones, por mais gentil que ele fosse, foi convidado a se retirar do novo mundo criado pelo racionalismo. O homem então passa a construir ao seu redor uma realidade fechada, um mundo governado pela lei férrea da causa e do efeito, onde a realidade é somente aquilo que a razão e os sentidos podem perceber. O homem se fechou numa caixa. Mas, tudo isto lhe era imperceptível, então, dominado que estava pela euforia de criar um admirável mundo novo, que ele haveria de prevalecer e se estabelecer pelo cientificismo tecnológico.

Passados três séculos, o homem começa a sentir, hoje, os efeitos inevitáveis de estar na caixa. Os sinais disto estão em todo lugar: primeiro, nas artes, que na tentativa de achar sentido para a realidade, resolveu pular fora da caixa, em protesto contra a visão reducionista do positivismo do século XIX, sem, contudo, saber ao certo o que lhe espera do lado de fora. Artistas como Francis Bacon, e muitos outros refletem o desespero e a angústia das almas mais sensíveis que simplesmente desistiram de entender e expressar a realidade de forma sintética e coerente.

A filosofia, igualmente, foi dominada pelo existencialismo, que em suas mais diversas linhas, convida o homem a uma experiência fora da caixa, experiência que não tenha necessariamente sentido nem razão, e que não seja controlada por conceitos como certo ou errado, muito bem popularizados pelo famoso cantor brasileiro Roberto Carlos na música Emoções, onde canta “se sofri ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi”.

Surge a posmodernidade, que sem negar que a realidade de fato está contida na caixa, contudo contesta a existência da própria caixa, e – por que também não, - do próprio homem e da realidade ao seu redor.

Propostas religiosas antigas, como o monismo religioso, que vê a realidade como se fosse um tecido único, como se tudo fosse Deus e Deus fosse tudo, ressurgem inclusive dentro da Cristandade mais ampla, como por exemplo, nas 95 teses de Matthew Cox, leigo católico, pregadas na mesma porta de Wittenberg na Alemanha em 2006, onde diz na tese número seis: “A ideia de que Deus está acima ou além do universo é falsa. Tudo está em Deus e Deus está em tudo”.

Tudo isto, e outras coisas mais, é o grito tremendo do homem na caixa. O homem moderno não consegue mais viver dentro dela. Quer respostas, quer sentido, quer razões, quer ser ouvido.
O que tudo isto tem a ver com os professores, mestres e alunos universitários? Creio que nosso maior desafio consiste em dois pontos. Primeiro, perceber que boa parte do desespero e do vazio existencial hoje reinantes nas mentes e corações de professores e alunos, apesar das grandes conquistas intelectuais, provém de uma visão reduzida da realidade, uma visão que pode muito bem ser exemplificada com a pintura de Francis Bacon.

Segundo, que talvez devêssemos considerar o passado e a história e aprender com aqueles que, sem negar a intelectualidade, a objetividade científica e a respeitabilidade acadêmica, estavam preparados para aceitar que a realidade é mais ampla e mais profunda do que aquilo que percebemos, vemos, ouvimos, tocamos e comprovamos. A caixa precisa ser aberta. Há um mundo maravilhoso, rico, misterioso e plenamente satisfatório lá fora.

Augustus Nicodemus Lopes

Postado por Augustus Nicodemus Lopes.

Sobre os autores:

Dr. Augustus Nicodemus (@augustuslopes) é atualmentepastor da Primeira Igreja Presbiteriana de Goiânia, vice-presidente do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana doBrasil e presidente da Junta de Educação Teológica da IPB.

O Prof. Solano Portela prega e ensina na Igreja Presbiteriana de Santo Amaro, onde tem uma classe dominical, que aborda as doutrinas contidas na Confissão de Fé de Westminster.

O Dr. Mauro Meister (@mfmeister) iniciou a plantação daIgreja Presbiteriana da Barra Funda.

5 comentários

comentários
25/10/17 11:09 delete

Ótimo! Ao reconhecer a Cosmo Visão Cristã, colocamos a soberania de Deus em foco para reger a sociedade. A falta dela, faz com que os benefícios da ética e moral cristã seja deixado de lado.
Para mim, a leitura e a pratica da cartas Aos romanos deve ser um cotidiano na vida do crente.

Responder
avatar
25/10/17 17:27 delete

Graça e paz, Rev. Nicodemos. Na minha humilde percepção, vejo essa caixa como o pecado que tem mantido a muitos homens na ignorância, conservando-os distantes de Deus. Essa ação maléfica lhes faz acreditar que a caixa dos outros é que está fechada, persistindo, assim, uma prisão destruidora e inimiga da verdadeira liberdade. A caixa se abre, ainda que não plenamente, mas suficiente, apenas pelo poder do Evangelho na vida dos eleitos.

Responder
avatar
Mel Barbosa
AUTOR
27/10/17 07:31 delete

Reverendo Sinhozinho...Pensar em tudo que estamos vivenciando como uma caixa e na possibilidade de, assim como um dia ela foi fechada, agora poder ser aberta, traz esperança de transformação na mentalidade acadêmica. Afinal chegamos a um ponto onde é necessário olharmos par trás e tentarmos entender, como cristãos, qual a nossa responsabilidade por terem afastado DEUS do seu meio. Os professores veem reproduzindo aquilo que a tempos também estão recebendo. Mas como romper o ciclo? Como quebrar uma cadeia de mentes que parecem endurecidas e cauterizadas?...

Responder
avatar
Priscila
AUTOR
28/10/17 16:07 delete

Pastor, a música do Roberto Carlos é "se CHOREI ou se sorrir, o importante é que emoções eu vivi", só ver o especial de natal da globo kkkk
Estou amando esses posts, lendo, relendo e imprimindo pra absorver tudo, pois não tenho esse estudo na minha igreja e vou entrar na Federal ano que vem. Muito Obrigada.

Responder
avatar
16/11/17 01:15 delete

Que bom, Priscila. Sorte lá. Que Deus lhe abençoe naquele lugar; graça e paz a você.

Responder
avatar